«Precisava de mostrar o que de bom resultou deste período tão difícil»

Danijela Realizou um filme no qual mostrou o trabalho de três voluntárias durante a crise Croácia, Zagrebe

Em março, os habitantes de Zagrebe passaram por um período muito conturbado. Além do surto inesperado de COVID-19, com as consequências que todos conhecemos, a cidade foi também atingida por um terramoto que deixou um rasto de destruição à sua passagem. Alguns edifícios antigos ficaram completamente destruídos, os transportes públicos foram suspensos e muitas pessoas ficaram desalojadas. Danijela presenciou este cenário e achou que era hora de mostrar algo positivo. «Neste país, há mulheres que, de forma altruísta, partilham o seu conhecimento e dedicam o seu tempo ao voluntariado em iniciativas de solidariedade social. O meu filme, “Women can do it!” (As mulheres conseguem!), é sobre elas. Acompanha o quotidiano de três mulheres que contribuíram para a sociedade durante o surto de coronavírus, de 24 de abril a 10 de maio, e mostra de que forma os cidadãos agiram e prestaram auxílio às pessoas necessitadas neste período incrivelmente difícil», explica. O filme tem uma duração de 22 minutos e está disponível no YouTube.

«Espero que já estejamos num caminho consistente para a recuperação»

Viri Viu no confinamento uma oportunidade para melhorar o seu restaurante Espanha, San Román de Candamo, Astúrias

Para os proprietários de restaurantes em toda a Europa, a COVID-19 foi uma espécie de montanha russa de emoções. Que o diga Viri, obrigada a fechar o seu restaurante, «El Llar de Viri», assim que o confinamento entrou em vigor. «A decisão de fechar todos os restaurantes apanhou-nos completamente desprevenidos, nem queríamos acreditar. Passámos por muitas fases distintas: primeiro a incerteza e depois a perplexidade. Chegámos, então, a um ponto em que já não conseguíamos estar parados e tínhamos de fazer alguma coisa», explica. Viri tirou o máximo partido deste novo estado de espírito, começando a embalar alimentos para clientes e criando uma horta. «Agora, temos os nossos ingredientes mesmo à mão», regozija-se Viri. Após uma reabertura bem-sucedida, sente-se mais feliz do que nunca ao ver os rostos amistosos dos seus clientes mais fiéis. Irá, certamente, desfrutar de cada momento passado com eles, embora ainda esteja cautelosa quanto ao futuro.

«Todos queremos dar o nosso melhor para ajudar»

Marc, Patrick e Nader Criaram ferramentas essenciais para evitar a propagação do vírus Malta, Irlanda e Itália

Nestes tempos conturbados, foi espantoso ver como todas as mentes brilhantes da Europa uniram esforços para contribuir com grandes ideias. A Universidade de Malta, por exemplo, desenvolveu o protótipo de um dispositivo para desinfetar ventiladores. «Os aparelhos são relativamente simples de montar, têm um preço acessível e podem ser rapidamente produzidos, em larga escala», explica Marc. Na Itália, país altamente fustigado pelo vírus, os hospitais contaram com a preciosa ajuda de Nader e da sua start-up de impressão 3D. Transformaram equipamento de mergulho em máscaras oronasais e distribuíram-nas, assim como viseiras, a todo o país. Na Irlanda, Patrick contribuiu graças à destilação de uísque e gin. «Quando soubemos que os desinfetantes tinham esgotado na Irlanda do Norte, modificámos a nossa produção. Fornecemos desinfetante a farmácias, médicos, lojas e instituições de beneficência», recorda. Graças a todos estes esforços, a UE pode concentrar-se na produção de vacinas e na preparação para futuros surtos, domínios aos quais dedicou um montante total de 314 milhões de euros.

«Faço isto pela minha mãe e por todas as mães assustadas e isoladas ao longo deste período»

Melanie, Daniel, Anni e Marios Foram além do seu dever profissional para ajudar médicos colegas e doentes durante a crise Malta, Finlândia e Chipre

Em plena pandemia de COVID-19, os médicos de toda Europa têm feito tudo o que podem para ajudar. O seu principal contributo foi o seu conhecimento. Em Malta, Melanie divulgou uma série de vídeos em que esclarece conceitos frequentemente referidos nas notícias, mas raramente explicados ao pormenor. Num desses vídeos, esta especialista em cardiologista esclarece o significado de expressões como «achatar a curva» numa linguagem acessível a todos. Na Finlândia, Anni utilizou o Instagram para responder a perguntas de pessoas, tendo rapidamente atingido os 25 000 seguidores. Entretanto, Daniel (Gozo) e Marios (Chipre) levaram a cabo importantes iniciativas para ajudar os seus colegas no terreno. Daniel utilizou a sua conta no Facebook para agradecer a todos os que doaram alimentos e apoiaram os profissionais de primeira linha, entre os quais ele próprio, enquanto enfermeiro. Marios, médico aposentado, utilizou o Facebook para anunciar que voltava a exercer medicina, bem como as razões que o levaram a tomar tal decisão. E não foi o único: muitos deputados ao Parlamento Europeu fizeram o mesmo durante a pandemia.

«É tempo de os cidadãos demonstrarem solidariedade entre si»

Yasmina Distribui refeições gratuitas às pessoas mais carenciadas Países Baixos, Roterdão

Em janeiro de 2020, Yasmina e as suas amigas abriram a Freshtable. O conceito da empresa consistia na preparação de refeições saudáveis, orgânicas e sustentáveis, para serem levantadas por clientes em locais e horários definidos. Mal sabiam então que a COVID-19 iria reforçar a necessidade de iniciativas semelhantes. Durante a pandemia, a Freshtable concedeu oportunidades de trabalho a refugiados e até começou a distribuir refeições gratuitas aos idosos mais afetados pela crise. «Procurámos, de diversas formas, ajudar as pessoas mais vulneráveis», explica Yasmin. «Em maio, através da campanha “Share a Meal” (Partilhe uma Refeição), distribuímos refeições a pessoas carenciadas, começando por mulheres a viver em abrigos e famílias numerosas e vulneráveis, em Roterdão. Queremos continuar a ajudar tantas pessoas quanto possível. Nesse sentido, os nossos clientes até podem comprar uma refeição para doar a alguém necessitado.» A Freshtable recebeu financiamento da UE no âmbito da iniciativa do Corpo Europeu de Solidariedade, que oferece aos jovens oportunidades de voluntariado ou de trabalho em projetos de solidariedade.

«O nosso robô de conversação baseado na inteligência artificial (IA) foi utilizado por milhões de cidadãos para detetar sintomas de COVID-19»

Jama Através da sua empresa, Symptoma, disponibiliza uma ferramenta baseada na IA, utilizada por milhões de pessoas em todo o mundo para a despistagem da COVID-19 Áustria, Attersee

A start-up austríaca Symptoma, que, durante 14 anos, desenvolveu investigação para o seu assistente de saúde digital, está agora a demonstrar o quão útil pode ser este dispositivo médico certificado no combate à COVID-19. O utilizador apenas tem de aceder a symptoma.com, introduzir os seus sintomas e responder a algumas perguntas. De seguida, é-lhe indicada uma pontuação. Quanto mais alta for essa pontuação, maior é a probabilidade de ter contraído o vírus. «Symptoma.com é, provavelmente, o primeiro e o único robô de conversação baseado na IA para detetar o risco de os cidadãos estarem doentes com COVID-19», refere Jama. «O robô de conversação está disponível em mais de 36 línguas e identificou o risco de infeção com uma precisão de 96,32 %», acrescenta. O teste é gratuito e totalmente anónimo. Os médicos podem confiar nesta ferramenta e aplicar os recursos disponíveis nos casos mais urgentes, enquanto as autoridades de saúde e os investigadores aprofundam o conhecimento sobre a doença e reagem em conformidade. Symptoma.com recebeu financiamento da Comissão Europeia, no âmbito do Instrumento a favor das PME do Horizonte 2020. Para mais informações sobre a investigação, atualmente em fase de revisão por pares, consulte a página symptoma.com/covid-19.

«A minha empresa recebeu ajuda graças à UE»

Isabel Manteve o seu negócio aberto graças à ajuda da UE Espanha, Cabo de Palos

A 13 de março, a região espanhola de Múrcia encerrou as suas fronteiras para tentar conter a propagação do coronavírus. Junto com esta medida essencial veio o encerramento total e súbito do setor do turismo, fulcral para a prosperidade da região. Como proprietária de um centro de mergulho, Isabel Laguardia foi particularmente atingida. Foi obrigada a encerrar o centro e a suspender o seu projeto de contratação de pessoal para fazer face ao período normalmente movimentado das férias de Páscoa e da época estival. A UE agiu rapidamente para apoiar pequenas empresas como a de Isabel. Nova legislação tornou as regras relativamente aos auxílios estatais mais flexíveis. O governo espanhol pode agora prestar apoio financeiro mais rapidamente às empresas, a fim de evitar colocar o pessoal em «lay-off» durante o surto de coronavírus. Essas regras permitem aos Estados-Membros tomar medidas rápidas e eficazes para apoiar cidadãos e empresas, especialmente as pequenas empresas que enfrentam dificuldades financeiras devido à COVID-19. Todos os Estados-Membros serão capazes de criar programas para atribuir até 800 000 € a uma empresa para fazer face a necessidades urgentes.

«Ajudamos empresários que foram profundamente afetados pela crise sanitária da COVID-19»

Claudine Criou a plataforma #JobSwitch com os seus colegas da Câmara de Comércio do Luxemburgo Luxemburgo, Luxemburgo

Muitas empresas tiveram de encerrar devido à COVID-19, mas outras ficaram sobrecarregadas de trabalho. A fim de equilibrar esta situação, Claudine e os seus colegas da Câmara de Comércio do Luxemburgo criaram a plataforma #JobSwitch. «Criámos uma linha direta para as empresas para esclarecer questões e fornecer informação em tempo real. Também disponibilizámos uma ferramenta que permitia aos funcionários de empresas encerradas trabalharem em empresas que tinham falta de pessoal», explica Claudine. A plataforma esteve em funcionamento até ao final de abril, tendo-se revelado um enorme sucesso. Candidataram-se cerca de 1 400 pessoas, das quais mais de 500 encontraram um novo emprego. Além da plataforma #JobSwitch, a Câmara de Comércio lançou um programa de apoio aos empresários, juntamente com uma garantia bancária para as empresas em dificuldades financeiras.

«Cantemos! Agora mais do que nunca»

Matthias Organiza sessões de canto coral em linha para quem queira participar Alemanha, Regensburg

Nada entretém mais do que a música. Logo, porque não tirar o máximo partido do confinamento e cantar umas quantas canções? Nos últimos meses, «Cantemus-TV» tem oferecido esta oportunidade à população de Regensburg e mais além. «Como responsável do grupo coral “Cantemus” de Regensburg, queria dar a possibilidade a pessoas de todas as idades de se expressarem através da música», explica Matthias. «Foi por esse motivo que criámos a nossa “Cantemus-TV” em linha, para convidar as crianças, os jovens e as famílias a cantarem connosco. Acreditamos que o canto pode vencer o tédio e aliviar as preocupações, criando, ao mesmo tempo, uma atmosfera calorosa e inspirando confiança». «Cantemus-TV» convida os espetadores a participarem ativamente em sessões como elementos do coro, bem como a enviarem as suas próprias contribuições artísticas. Segundo Matthias, trata-se de uma nova forma de realizar atividades em comunidade e de manifestar solidariedade.

«Continuamos a garantir a segurança e a qualidade de vida das pessoas com deficiência»

Ioannis Garante a proteção de pessoas com deficiência na Grécia Grécia, Atenas

A Confederação Nacional das Pessoas com Deficiência representa pessoas com deficiência e doenças crónicas desde 1989. A COVID-19 não foi suficiente para impedir esta Confederação de continuar a fazer o seu trabalho, que consiste em informar as organizações afiliadas sobre medidas governamentais destinadas às pessoas com deficiência. «Continuámos totalmente operacionais, mesmo após a campanha “Nós ficamos em casa” lançada pelo Ministério da Saúde. Os nossos funcionários começaram a trabalhar a partir de casa e a responder diariamente a pedidos de informações por telefone», refere Ioannis. Juntamente com os seus colegas, apresentou propostas concretas ao primeiro-ministro, a ministros competentes, a deputados e a autoridades regionais e locais, tendo em conta os novos desafios que as pessoas com deficiência enfrentam. Até à data, os seus objetivos não mudaram e continuam a centrar-se na proteção dos direitos das pessoas com deficiência e doenças crónicas, bem como das suas famílias, garantindo a sua segurança e qualidade de vida.

«Os nossos funcionários e voluntários fazem tudo o que está ao seu alcance para prestar assistência aos membros da associação e a todos os que necessitem de apoio»

Kinga Apoia e orienta famílias húngaras para que consigam superar as consequências económicas da crise Hungria, Budapeste

A Associação Nacional de Famílias Numerosas da Hungria (vencedora do Prémio do Cidadão Europeu de 2018, atribuído pelo Parlamento Europeu) tem trabalhado afincadamente para ajudar famílias a enfrentarem as consequências económicas da pandemia. «Disponibilizamos informações atualizadas aos nossos membros sobre os seus direitos legais e descontos de que possam usufruir. Também fornecemos orientações relativas ao bem-estar mental, às dificuldades económicas e aos problemas relacionados com a aprendizagem à distância», explica Kinga. A Associação, que tem recebido doações de diversas empresas de todo o país, organizou também um concurso de fotografia, em abril, incentivando as famílias a retratarem momentos passados em conjunto durante o confinamento.

«É necessário solidariedade e coordenação entre as organizações da sociedade civil»

Baiba Propôs ao Governo letão medidas de emergência para ajudar a cobrir as despesas de base de pessoas carenciadas Letónia, Riga

Como levar a vida por diante após a COVID-19 se ficou desempregado ou sofreu um corte drástico no seu salário? Para ajudar os cidadãos a lidarem com estas situações, a Associação Nacional para a Defesa do Consumidor da Letónia tem proposto medidas de emergência ao Governo letão. «Fizemos pressão para que fossem atribuídos benefícios aos cidadãos que, na sequência da crise, não conseguissem assegurar as suas necessidades básicas e, assim, metade das suas despesas serão reembolsadas», refere Baiba. «Estivemos também envolvidos nas decisões de dar aos consumidores a oportunidade de reduzirem as suas dívidas, bem como de se adiar o prazo para o pagamento de impostos, e contribuímos para que os consumidores mais vulneráveis possam agora candidatar-se a um subsídio de aquecimento». Baiba, que é também membro do Comité Económico e Social Europeu (CESE), destaca que o período pós-COVID-19 exigirá um CESE forte e estável, com membros competentes e plenamente empenhados na representação dos interesses das organizações da sociedade civil.