4

Resultado(s)

Palavra(s)
Tipo de publicação
Domínio de intervenção
Palavra-chave
Data

Commitments made at the hearing of Olivér VÁRHELYI, Commissioner-designate - Neighbourhood and Enlargement

22-11-2019

Commissioner-designate Olivér Várhelyi appeared before the European Parliament on 14 November 2019 to answer questions from MEPs in the Committee on Foreign Affairs (the Committee on International Trade was invited). This document highlights a number of commitments which he made during the hearing. They refer to his portfolio, as described in the mission letter sent to him by Ursula von der Leyen, President-elect of the European Commission, including: Western Balkans and Turkey; Eastern Neighbourhood ...

Commissioner-designate Olivér Várhelyi appeared before the European Parliament on 14 November 2019 to answer questions from MEPs in the Committee on Foreign Affairs (the Committee on International Trade was invited). This document highlights a number of commitments which he made during the hearing. They refer to his portfolio, as described in the mission letter sent to him by Ursula von der Leyen, President-elect of the European Commission, including: Western Balkans and Turkey; Eastern Neighbourhood; Southern Neighbourhood.

Três países da Parceria Oriental no Cáucaso Meridional

01-02-2018

A política da «Parceria Oriental» da UE, adotada em 2009, conta com a participação de seis Estados pós-soviéticos: a Arménia, o Azerbaijão, a Bielorrússia, a Geórgia, a Moldávia e a Ucrânia. A Parceria foi criada para apoiar os esforços envidados no contexto das reformas políticas, sociais e económicas nesses países, com o objetivo de reforçar a democratização e a boa governação, a segurança energética, a proteção do ambiente e o desenvolvimento económico e social. Todos os membros, à exceção da ...

A política da «Parceria Oriental» da UE, adotada em 2009, conta com a participação de seis Estados pós-soviéticos: a Arménia, o Azerbaijão, a Bielorrússia, a Geórgia, a Moldávia e a Ucrânia. A Parceria foi criada para apoiar os esforços envidados no contexto das reformas políticas, sociais e económicas nesses países, com o objetivo de reforçar a democratização e a boa governação, a segurança energética, a proteção do ambiente e o desenvolvimento económico e social. Todos os membros, à exceção da Bielorrússia, cuja participação está suspensa, participam na Assembleia Parlamentar Euronest.

Ásia Central

01-01-2018

A UE reconhece a importância estratégica da região da Ásia Central, que liga a Europa e a Ásia. Em 2019, a UE atualizou a sua estratégia para a Ásia Central, centrando-se na resiliência (em domínios como os direitos humanos, a segurança das fronteiras e o ambiente), na prosperidade (com uma forte ênfase na conectividade) e na cooperação regional. O Parlamento destacou a importância dos direitos humanos, da boa governação e do desenvolvimento social na região.

A UE reconhece a importância estratégica da região da Ásia Central, que liga a Europa e a Ásia. Em 2019, a UE atualizou a sua estratégia para a Ásia Central, centrando-se na resiliência (em domínios como os direitos humanos, a segurança das fronteiras e o ambiente), na prosperidade (com uma forte ênfase na conectividade) e na cooperação regional. O Parlamento destacou a importância dos direitos humanos, da boa governação e do desenvolvimento social na região.

Países do Golfo, Irão, Iraque e Iémen

01-01-2018

A UE tem acordos de cooperação com os países do Conselho de Cooperação do Golfo (uma organização regional que reúne o Barém, o Koweit, Omã, o Catar, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos) e com o Iémen, e um Acordo de Parceria e Cooperação com o Iraque. Atualmente, a UE não tem relações contratuais com o Irão e o Afeganistão, mas reconhece que existe potencial para o aprofundamento das relações.

A UE tem acordos de cooperação com os países do Conselho de Cooperação do Golfo (uma organização regional que reúne o Barém, o Koweit, Omã, o Catar, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos) e com o Iémen, e um Acordo de Parceria e Cooperação com o Iraque. Atualmente, a UE não tem relações contratuais com o Irão e o Afeganistão, mas reconhece que existe potencial para o aprofundamento das relações.