4

Resultado(s)

Palavra(s)
Tipo de publicação
Domínio de intervenção
Palavra-chave
Data

The Mekong River: geopolitics over development, hydropower and the environment

18-11-2019

The Mekong River is a vital source of livelihoods and economic activity in continental South-East Asia and extends from the Tibetan Plateau to the South China Sea. Its length is 4 800 km. More than half circulates in China, but its channel runs through Myanmar, Laos, Cambodia, Thailand and Vietnam. The Mekong has the world's largest inland freshwater fishery industry, vital to the region's food security, representing around USD 3 000 million per year. Its unique and rich biological habitat provides ...

The Mekong River is a vital source of livelihoods and economic activity in continental South-East Asia and extends from the Tibetan Plateau to the South China Sea. Its length is 4 800 km. More than half circulates in China, but its channel runs through Myanmar, Laos, Cambodia, Thailand and Vietnam. The Mekong has the world's largest inland freshwater fishery industry, vital to the region's food security, representing around USD 3 000 million per year. Its unique and rich biological habitat provides diverse livelihoods as well as four fifths of the animal protein for more than 60 million people. At the level of biodiversity, the importance of this river for global nature is vital. The Mekong region is extremely vulnerable to the impacts of climate change and to the degradation of ecosystems. The uncontrolled growth of the population both in China and in Southeast Asia is exerting unsustainable pressure on the Mekong in terms of a massive exploitation of all kinds of resources linked to the River: water, food, wood, energy, especially recent infrastructure and hydropower development, together with deforestation, illegal wildlife trade and habitat fragmentation. Water scarcity leads to reduced agricultural productivity, unemployment and poverty Four countries (Cambodia, Lao PDR, Thailand, and Vietnam) formed an intergovernmental agency in 1950, The Mekong River Commission (MRC), to defend the sustainable development of the Mekong River and to plan its future. The absence of China and Myanmar mitigates and erodes the effective dialogue of the MRC on the management of the River. The lack of implementing mechanisms denatures the organization itself..

Ásia do Sul

01-01-2018

A Ásia é o maior e mais povoado continente do mundo e tem uma grande importância geoestratégica para a UE, que está a criar laços mais estreitos com os países da Ásia do Sul, enquanto forte parceiro económico e um doador fundamental em matéria de desenvolvimento, assim como um importante doador de ajuda, agindo para fomentar o desenvolvimento das instituições, a democracia, a boa governação e os direitos humanos. A UE tem também algumas preocupações no que diz respeito à segurança na região, nomeadamente ...

A Ásia é o maior e mais povoado continente do mundo e tem uma grande importância geoestratégica para a UE, que está a criar laços mais estreitos com os países da Ásia do Sul, enquanto forte parceiro económico e um doador fundamental em matéria de desenvolvimento, assim como um importante doador de ajuda, agindo para fomentar o desenvolvimento das instituições, a democracia, a boa governação e os direitos humanos. A UE tem também algumas preocupações no que diz respeito à segurança na região, nomeadamente o conflito na Caxemira a situação no Afeganistão.

Ásia Oriental

01-01-2018

A Ásia é o maior e mais povoado continente e tem uma enorme importância geoestratégica para a UE. A UE tem três parceiros estratégicos na Ásia Oriental, a saber, a China, o Japão e a República da Coreia, e vê com preocupação os problemas de segurança na região, como o desafio nuclear na Coreia do Norte e as disputas marítimas no mar da China Meridional. A UE é um ator económico forte e um importante doador no domínio da ajuda e do desenvolvimento, contribuindo para fomentar o desenvolvimento das ...

A Ásia é o maior e mais povoado continente e tem uma enorme importância geoestratégica para a UE. A UE tem três parceiros estratégicos na Ásia Oriental, a saber, a China, o Japão e a República da Coreia, e vê com preocupação os problemas de segurança na região, como o desafio nuclear na Coreia do Norte e as disputas marítimas no mar da China Meridional. A UE é um ator económico forte e um importante doador no domínio da ajuda e do desenvolvimento, contribuindo para fomentar o desenvolvimento das instituições, a democracia, a boa governação e os direitos humanos.

Ásia do Sudeste

01-01-2018

A UE procura desenvolver laços mais estreitos com os países da Ásia do Sudeste e promover a integração regional com a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN). A UE é um ator económico forte na Ásia do Sudeste e um doador importante de ajuda ao desenvolvimento, agindo para fomentar o desenvolvimento das instituições, a democracia, a boa governação e os direitos humanos.

A UE procura desenvolver laços mais estreitos com os países da Ásia do Sudeste e promover a integração regional com a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN). A UE é um ator económico forte na Ásia do Sudeste e um doador importante de ajuda ao desenvolvimento, agindo para fomentar o desenvolvimento das instituições, a democracia, a boa governação e os direitos humanos.